Astrônomos vão procurar vida alienígena em exoplaneta

O sistema estelar Wolf 1061 está a apenas 14 anos-luz de distância e os astrônomos já estão criando, as bases, para começar a procurar sinais de vida extraterrestre na atmosfera em um dos planetas.

À medida que aumenta a caça de planetas habitáveis ​​além do nosso sistema solar, cada vez mais candidatos perto de terra estão aparecendo. Desta vez um pequeno exoplaneta rochoso dentro da chamada “zona habitável” orbitando a estrela Wolf 1061.

Ilustração do exoplaneta Wolf 1061c – Créditos: ESO

Os astrônomos estão começando a identificar quais desses estranhos novos planetas podem, em breve, ter uma atenção especial com a próxima geração de telescópios avançados na Terra e no espaço.

Conhecido por hospedar três exoplanetas, o sistema Wolf 1061 é interessante, pois poderia ser um alvo para o Telescópio Espacial James Webb (JWST) da NASA que está programado para ser lançado em 2018.

Programado para ocupar o ponto Lagrange L2 – uma ilha de gravidade calma com mais de um milhão de quilômetros de distância na sombra da Terra – o infravermelho do JWST poderá ser usado para detectar componentes atmosféricos em mundos que, hipoteticamente, abrigariam vida.

Outros projetos de caça aos exoplanetas, como o Satélite TESS, o Satélite CHEOPS e a missão PLATO serão lançados em breve.  O intuito é auxiliar na pesquisa para definir o potencial habitável destes planetas distantes.

Ilustração criada pela NASA do satélite TESS

Mesmo estando nas zonas habitáveis ​​de estrelas, os exoplanetas (como o de Wolf 1061) são propícios a serem muito quentes ou muito frios para ter água líquida na superfície. Na Terra, onde há água líquida, há vida, e se há água nesses mundos, pode haver vida lá também.

Essa é a lógica básica, mas há muitos fatores em jogo que determinam se um planeta pode realmente abrigar a vida. Assim, se caracterizado adequadamente as atmosferas exoplanetárias, será possível detectar os produtos químicos que podem revelar a presença de processos biológicos. Como Wolf 1061 hospeda um pequeno exoplaneta rochoso (chamado Wolf 1061c) dentro de sua zona habitável, é um dos locais exoplanetários mais propícios para descobrir essa evidência biológica.

“O sistema Wolf 1061 é importante porque é muito próximo e abre oportunidades para fazer estudos de acompanhamento para checar se realmente tem vida”, disse Stephen Kane, astrônomo da Universidade Estadual de San Francisco.

Trabalhando com pesquisadores da Universidade Estadual do Tennessee, a equipe de Kane tomou medidas precisas do sistema Wolf 1061 para calcular a extensão de sua zona habitável, atividade estelar e órbitas planetárias. Interessantemente, Wolf 1061c tem uma órbita caótica que é fortemente influenciada pela gravidade dos outros planetas no sistema, fazendo com que ele se mova às vezes mais perto da estrela e em outros momentos mais longe. Ela também ocupa a borda interna da zona habitável da estrela, o que representa um dilema para seu verdadeiro potencial habitável.

Vênus, por exemplo, está dentro da borda interna da zona habitável do Sol, mas Vênus é tudo menos ‘habitável’, apesar de ter aproximadamente o tamanho da Terra. A atmosfera venusiana tóxica e espessa é a conseqüência de um efeito de estufa onde muita energia foi aprisionada pela atmosfera, fazendo com que aquecesse até temperaturas de ebulição do chumbo.

Planeta Vênus está na chamada “zona habitável”

Embora possa ter sido um planeta mais temperado , qualquer água que existia na sua superfície foi dividida em átomos de hidrogênio e oxigênio. As únicas regiões de Vênus que são remotamente ‘semelhantes à Terra‘ estão no alto da atmosfera de Vênus.

Wolf 1061c, talvez seja também um ‘exo-Vênus‘, embora a variabilidade em sua órbita possa criar rajadas de resfriamento global seguido de aquecimento intenso. “Isso poderia causar o congelamento do planeta ou aquecimento a níveis insuportáveis”, disse Kane em um comunicado.

Tal como a grande maioria dos mundos encontrados dentro das zonas habitáveis ​​das estrelas, as qualidades terrestres do Wolf 1061c podem ser limitadas ao seu tamanho e à distância orbital aproximada da sua estrela, mas isso não significa que não pode acolher vida extraterrestre, apenas significa que será muito diferente do que estamos acostumados na Terra.

Fonte: Live Science

Inversão dos pólos magnéticos pode causar um apagão na internet

Novos estudos afirmam que o campo magnético da Terra, essencial para reduzir os impactos da radiação solar, está perdendo, aos poucos, sua estabilidade. A verdade é que os polos magnéticos trocaram de posições em inúmeras ocasiões ao longo da história terrestre e o farão muitas vezes mais.

O campo magnético da Terra possui dois polos (norte e sul) que não são estáticos e cujas variações se deslocam até 16 km por ano. Dessa forma, o campo magnético nunca está em um único lugar e os polos se invertem, aproximadamente, a cada 450 mil anos.

De acordo com o trabalho de uma equipe de pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos EUA, a última inversão dos polos ocorreu há 781 mil anos.

O campo magnético da Terra possui dois polos (norte e sul)

Hoje, a Terra está se movendo em direção à sua próxima inversão, obedecendo ao fato de o seu núcleo interior crescer cada vez mais, obstruindo o núcleo externo, o que, por fim, acabará debilitando o campo magnético do planeta.

Isto significa que os sinais do satélite lutariam para penetrar a atmosfera, conduzindo a uma falta do serviço de Internet, de navegação do GPS, de TV por satélite assim como o sinal de telefonia móvel.

Além disso, o aumento das correntes no campo magnético da terra, ou magnetosfera, poderia teoricamente levar a um aumento da eletricidade em linhas de energia, que pode incapacitar transformadores elétricos e centrais elétricas, levando a uma perda temporária de eletricidade em uma região.

Os pássaros usam os pólos magnéticos para navegação

Um campo magnético fraco ou instável poderá ser uma evidência clara de que a inversão dos polos terrestres está para acontecer. As consequências da mudança no magnetismo da Terra afetariam também a orientação da fauna silvestre, como aves e baleias, que utilizam o campo magnético para se situarem.

As mudanças dos polos ocorrem devido a turbulências imprevisíveis no núcleo terrestre. Ao enfraquecer o campo magnético do planeta, elas nos deixam mais vulneráveis aos ventos solares, a tal radiação emitida pelo sol.

A Terra será mais vulnerável às tempestades solares

Phil Livermore, professor de geofísica, e Jon Mound,  também professor de geofísica, ambos da Universidade de Leeds, escreveram em um artigo sobre o tema: “Se isso acontecesse hoje, o aumento de partículas carregadas chegando à Terra resultaria em aumento aos riscos para satélites, aviação e infra-estrutura elétrica terrestre.”

A dupla continua: “O simples fato de que estamos ‘atrasados’ para uma inversão completa e o fato de que o campo da Terra está diminuindo atualmente a uma taxa de 5 por cento por século, levou a sugestões de que o campo pode reverter nos próximos 2.000 anos.”

Fonte: Express UK

Estranho objeto foi encontrado pela Nasa em Marte

Um robô da Nasa descobriu o que pode ser um meteorito metálico na superfície de Marte. Se confirmado, seria o terceiro objeto deste tipo encontrado pelo jeep-robô Curiosity desde agosto de 2012, quando pousou na superfície do planeta.

Uma imagem do objeto, feita no último dia 12 e disponibilizada no site da Nasa, revela que ele já foi “escaneado” pelo raio laser que o veículo usa para vaporizar parte da superfície de amostras, enquanto um espectrômetro detecta sua composição através da análise da nuvem de plasma provocada pelo raio.

Em outubro do ano passado, o Curiosity encontrou este meteorito na mesma região de Marte

As imagens sugerem que o suposto meteorito poder ser feito de uma combinação entre ferro e níquel, e se isso for confirmado pela análise dos dados coletados pelo Curiosity, indica que ele foi formado a partir do núcleo de um asteroide. As imagens também revelam que o objeto tem sulcos compatíveis com o atrito de entrada na atmosfera de um planeta.

“O objeto foi batizado de Ames Knob e e lembra outro meteorito examinado pelo Curiosity em novembro, e cuja análise revelou uma composição de ferro e níquel”, disse Guy Webster, um porta-voz da Nasa, ao site americano IFL Science.

Veículos-robô em Marte já encontraram sete meteoritos metálicos no planeta (pelo menos sete foram localizados por outros veículos americanos, o Opportunity e o Spirit), mas o interessante nisso tudo é essa particularidade de seu perfil. Na Terra, 95% dos meteoritos encontrados são rochosos. 

Marcas deixadas pelo laser do Curiosity
Marcas deixadas pelo laser do Curiosity

Por quê isso ocorreu? Pode ser fruto da diferença de ambientes entre os dois planetas no que diz respeito à erosão. Ou pelo fato de o terreno escarpado de Marte tornar mais difícil a localização de rochas específicas.

A ausência de oxigênio e água na atmosfera de Marte impede a oxidação de objetos metálicos, que são erodidos pelo vento e mudanças de temperatura. Observações iniciais das imagens sugerem, de acordo com a revista New Scientist, que o meteorito pode ter caído há relativamente pouco tempo, pois sua superfície parece suave e brilhante, ele ainda não teria sido erodido.

Só que também pode se tratar de um meteorito antigo que foi polido pelas violentas tempestades de areia que atingem o planeta.

Imagem de meteorito encontrado em outubro de 2016 pelo robô Curiosity

O Curiosity percorreu mais de 15 km desde que pousou no interior da Cratera Gale, há quatro anos e meio. Os cientistas americanos esperam tentar criar uma linha de tempo para as transformações ambientais sofridas pelo planeta. Acredita-se, por exemplo, que a cratera, hoje um imenso deserto assolado por ventos, já foi um imenso lago que poderia ter abrigado algum tipo de vida.

Fonte: BBC

Os melhores documentários sobre a ciência e o espaço

Ao contrário de muitos programas de TV, geralmente voltados apenas para entretenimento, alguns periódicos surgiram com excelente conteúdo que transformam a vida e incentivam a nossa busca de conhecimento.

Desde o início deste século, a ciência (especialmente a espacial), tornou-se um tema favorito para os produtores por causa do crescente interesse e curiosidade entre as pessoas para conhecer a realidade.

Documentários excelentes foram produzidos nos anos recentes. Veja abaixo algumas indicações de séries espaciais e documentários fará você desenvolver um forte interesse na ciência e no espaço.

Cosmos: Uma odisseia no espaço-tempo (2014)

A série é um remake de um popular programa de TV ” Cosmos: A Personal Voyage ”, que foi transmitido em 1980. Esta adaptação moderna obteve uma classificação de 9,4 em 10 nas métricas da IMDB .

O show é apresentado pelo astrofísico Neil deGrasse Tyson, que, como um jovem estudante do ensino médio, foi inspirado por Carl Sagan.

Consiste em 13 episódios surpreendentes (tempo apróximadamente de 40 a 45 minutos). Se você está interessado em Espaço e Aprendizagem Ciência, eu recomendo fortemente assistir a temporada inteira.

A série está disponível no Netflix, você pode assistir através deste link: http://www.netflix.com/search/cos?jbv=80004448&jbp=0&jbr=0

O documentário de ficção científica foi ao ar em 09 de março de 2014, estreou na rede Fox e no canal National Geographic. Desde então, a data de lançamento para a segunda temporada não foi confirmada.

Veja também: Segunda temporada de “Cosmos” prevista para 2017?

Além do Cosmos – Mecânica Quântica (2011)

Essa é mais uma série de documentários que descorem sobre as descobertas fantásticas feitas pelos físicos, cosmólogos, e pesquisadores das micropartículas.

Esses que são os cientistas mais inteligentes, de QI mais alto em toda a classe científica foram obrigados a admitir que os ocultistas os paranormais e psíquicos de todos os tempos estavam certos, existem sim universos paralelos, e dali que vem as almas desencarnadas, é dali que vem os “Deuses” e demônios míticos, e ali que estão os chakras, a consciência, e os poderes da mente.

Eles estão tendo de lidar com a oposição de seus colegas de outras áreas cientificas, que possuindo QI bem mais baixo, sendo pessoas muito mais limitadas, acabam por não entender nada.

Através do “buraco de minhoca” por Morgan Freeman (2010)

Através do “buraco de minhoca” irá explorar os mistérios mais profundos da existência até as perguntas que têm intrigado a humanidade para a eternidade. De que somos feitos? O que havia antes do começo? Estamos realmente sozinhos? Existe um criador? Essas perguntas foram ponderadas pelas mentes mais requintadas da raça humana.

Agora, a ciência evoluiu para o ponto em que fatos e evidências concretas podem ser capazes de nos fornecer respostas em vez de teorias filosóficas. Através do “buraco de minhoca” reunirá as mentes mais brilhantes e as melhores idéias (dos limites da ciência, astrofísica, quântica, teoria das cordas e muito mais) para revelar a verdade extraordinária do nosso Universo.

Através do “buraco de minhoca” é uma série documental de ciência norte-americana narrada e pelo ator americano Morgan Freeman. Sua primeira exibição foi nos Estados Unidos em 9 de junho de 2010.

Viagem aos limites do Universo (2008)

Viagem aos limites do Universo é um documentário transmitido pela National Geographic e pela Discovery Channel. Ele documenta uma viagem espacial da Terra para a borda do próprio universo . A edição americana foi narrada por Alec Baldwin e a edição britânica de Sean Pertwee.

No documentário é possível entender o que acontece nos limites do universo observável. A viagem parte da terra e continuará por todo o universo conhecido.

O documentário tem 91 minutos e foi transmitido em 7 de dezembro de 2008.

Organismo extraterrestre prova a existência de vida fora da Terra

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Sheffield e do Centro de Astrobiologia da Universidade de Buckingham liderada pelo professor Milton Wainwright, no Reino Unido, revelou para o mundo uma fotografia inquietante de um organismo misterioso.

Pequena estrutura denominada “partícula do dragão”

Seus pesquisadores dizem que é uma “entidade biológica” feita de carbono e oxigênio, ou seja, os mesmo materiais necessários para vida como conhecemos hoje.

O professor Wainwright enviou balões para a estratosfera 27 km acima da atmosfera da Terra para coletar partículas do espaço.

Ele alegou que o que eles descobriram não é apenas a prova de que a vida existe no espaço exterior, mas que os organismos extraterrestres estão “chovendo” continuamente na terra.

Ele disse: “A foto mostra uma estrutura coloquialmente chamada de ‘a partícula de dragão’ que a análise científica mostrou ser feita de carbono e oxigênio e, portanto, não é um pedaço de poeira cósmica ou vulcânica.”

Professor Milton Wainwright

Os cientistas afirmam que a partícula de dragão é uma prova conclusiva da vida em outros lugares do universo.

“Esta é claramente uma entidade biológica (cerca de 10 micron de tamanho), embora não seja claro se é parte de um único organismo ou é composta de menores, os micróbios individuais. É certamente incomum e não parece com nada encontrado na Terra. O que é surpreendente é que esses organismos aparecem nos talos de amostragem em uma condição absolutamente intocada. Não há partículas de poluição encontradas com eles.” Concluiu o professor Wainwright.

A descoberta de um pequeno plâncton na ISS foi a primeira vez que organismos complexos foram encontrados no espaço exterior. Experimentos já mostraram que as bactérias podem sobreviver fora do nosso planeta.

Os dados foram coletados a 27km acima da atmosfera terrestre

Uma teoria cada vez mais popular é a que o catalisador bioquímico para a vida humana se originou em outras partes do universo. Alguns pesquisadores disseram que uma explicação aceitável é que os organismos foram transportados para a estação em correntes de ar oriundas do mar onde o plâncton é encontrado em abundância.

No entanto, outros afirmam que isso é impossível com a única teoria racional sendo as minúsculas plantas derivadas para a ISS a partir de outro lugar no espaço.

O professor Wainwright disse: “Eles podem ser os mesmos, ou semelhantes aos que encontramos. Em ambos os casos eles serão interceptados em sua jornada do espaço para a Terra e não como alguns críticos impensados ​​sugeriram – preguiçosamente a deriva até alturas tão extremas da Terra.”

Fonte: Express UK