Congelados no tempo: DNA extraído de marinheiros do ano de 1845

Cientistas extraíram o DNA dos restos esqueletais de vários marinheiros do século XIX que morreram durante a  Expedição Franklin, cujo objetivo era navegar na lendária passagem do Noroeste.

Com uma nova base de dados genética de 24 membros da expedição, os pesquisadores esperam identificar alguns dos corpos espalhados no Ártico canadense, 170 anos após um dos piores desastres na história da exploração polar.

Uma viagem condenada

Conduzido por Sir John Franklin, capitão da Marinha Real Britânica, a tripulação de 129 membros embarcou em 1845 em busca de uma rota marítima que ligasse os oceanos Atlântico e Pacífico. Os marinheiros foram condenados depois que seus navios se prenderam no grosso gelo marinho próximo ao arquipélago ártico canadense em 1846.

Uma imagem de sonar que mostra o HMS Erebus
Uma imagem de sonar que mostra o HMS Erebus

A última comunicação, uma nota curta de 25 de abril de 1848 , indicou que os homens sobreviventes estavam abandonando seus navios – o HMS Erebus e HMS Terror – apenas fora da Ilha do Rei William e embarcando em uma dura viagem para um posto comercial no continente.

Durante mais de um século, grupos de pesquisadores e cientistas descobriram os restos mortais de vários marinheiros de Franklin em barcos e acampamentos improvisados ​​espalhados por essa rota. Os ossos têm cicatrizes de doenças como o escorbuto. Alguns até têm vestígios de canibalismo, segundo um estudo recente que confirmou os relatos do século 19 de testemunhas que descreveram pilhas de ossos humanos fraturados. Vários artefatos do HMS Erebus, incluindo um frasco de remédios e botões de túnica, bem como o sino de bronze do navio, também foram descobertos.

Pesquisadores resgatam objetos valiosos dos HMS Erebus e HMS Terror
Pesquisadores resgatam objetos valiosos dos HMS Erebus e HMS Terror

No último olhar sobre a matriz de ossos, uma equipe liderada por Douglas Stenton do Departamento de Cultura e Patrimônio de Nunavut, um território no norte do Canadá, realizou os primeiros testes genéticos com membros da expedição que morreram após a deserção dos navios.

Stenton e seus colegas conseguiram obter DNA de 37 amostras de ossos e dentes encontradas em oito locais diferentes ao redor da ilha King William, e eles estabeleceram a presença de pelo menos 24 membros diferentes da expedição. Vinte e um desses indivíduos haviam sido encontrados em locais ao redor da baía de Erebus no Canadá.

Mergulhadores trabalhando ao redor da ilha King William
Mergulhadores trabalhando ao redor da ilha King William

Os pesquisadores dizem que seus resultados oferecem uma contagem mais precisa do número de membros da expedição que morreram em locais diferentes. Algumas das primeiras fatalidades foram enterradas na Ilha Beechey e seus restos congelados, que foram exumados pelos arqueólogos na década de 1980, foram misteriosamente bem preservados. Os ossos dos marinheiros que morreram depois de abandonar os navios, no entanto, foram muito mais dispersos, dispersos pela atividade humana de limpeza e de animais.

Stenton disse que, em um caso, ossos do mesmo indivíduo foram encontrados em dois locais diferentes a cerca de uma milha (1,7 quilômetros) um do outro. Os pesquisadores acham que um grupo de busca de 1879 provavelmente encontrou alguns dos ossos, e depois os transportaram para o novo local e os enterraram novamente.

Stenton e seus colegas esperam que eles possam eventualmente usar o banco de dados para identificar os membros da tripulação e reconstruir melhor o que aconteceu nos últimos meses da expedição.

“Temos estado em contato com vários descendentes que expressaram interesse em participar em mais pesquisas”, disse Stenton. Esperamos que a publicação do nosso estudo inicial irá incentivar outros descendentes a considerar também a participação.”, explica Stenton.

Fonte:Live Science

Artigos relacionados:

Deixe um comentário